Defendemos a PrEP em estruturas de base comunitária | Discurso do GAT na Marcha do Orgulho LGBTI+

17 Junho 2018

PrEP (Profilaxia Pré-Exposição) é uma forma extremamente eficaz de prevenir a infeção pelo VIH através da toma de medicamentos. Está indicada em pessoas em risco acrescido de infeção pelo VIH, nomeadamente as que, nos últimos 6 meses: tiveram sexo sem preservativo com pessoas de estatuto serológico desconhecido para o VIH; recorreram à PPE/PEP (Profilaxia Pós-Exposição); e/ou que lhes tenha sido diagnosticado uma IST (Infeção Sexualmente Transmissível).

O Programa de Acesso Precoce, recentemente criado que visa disponibilizar PrEP através do Serviço Nacional de Saúde para cerca de 100 pessoas é deficiente e insuficiente enquanto estratégia de prevenção para o controlo da infeção por VIH. Não abrange todos os cidadãos que querem fazer PrEP, deixando de fora os migrantes, sem inscrição no SNS, que se encontram no Pais em situação de grande vulnerabilidade para a infeção por VIH.
Não dá resposta ao número de pessoas elegíveis que decidiram optar por um método de prevenção altamente eficaz para a infeção por VIH. Não dá resposta às pessoas em tempo útil pelas dificuldades inerentes à implementação da resposta nos hospitais, com marcações de consulta que ultrapassam o período de tempo definido, levando ao incumprimento a Norma de Orientação Clínica 25/2017, que regulamenta a PrEP.

É, por isso, que o GAT (Grupo de Ativistas em Tratamentos) defende a disponibilização e o acesso à PrEP em estruturas de base comunitária. Para assim garantir consultas numa lógica de proximidade com as pessoas que necessitam e querem fazer PrEP.